• Imprimir
  • Compartilhar


  • Casal de confeiteiros cristãos que se recusou a fazer ‘bolo gay’ perde apelação na justiça

    Casal de confeiteiros cristãos que se recusou a fazer ‘bolo gay’ perde apelação na justiça

    O Tribunal de Apelações do Oregon, nos EUA, decidiu na semana passada contra um casal cristão que perdeu sua loja depois de uma multa pesada por se recusar a criar um bolo para um casamento do mesmo sexo em 2013.

    O juiz Chris Garrett escreveu em sua decisão que, embora Aaron e Melissa Klein, antigos donos da loja “Sweet Cakes by Melissa”, possam ter objeções religiosas sinceras ao fazer bolos de casamento gay, as pessoas que se opõem aos casamentos inter-raciais também poderiam pedir as mesmas exceções, se concedidas .

    “Os Kleins procuram uma isenção com base em sua sincera oposição religiosa ao casamento do mesmo sexo, mas aqueles com objeções religiosas sinceras ao casamento entre pessoas de diferentes raças, etnias ou religiões poderiam igualmente exigir a mesma isenção”, afirmou Garret.

    “Os Kleins não oferecem uma base de princípios para limitar a isenção solicitada da maneira que eles propõem, exceto para argumentar que existem “razões decentes e honrosas”, fundamentadas na fé religiosa, por se oporem ao casamento entre pessoas do mesmo sexo”, continuou o juiz .

    “Isso não está em disputa. Mas nem a sinceridade, nem a base religiosa, nem a linhagem histórica de uma crença particular foi realizada para dar uma licença especial para a discriminação”.

    O Kleins se recusou a fornecer  um bolo de casamento para o casal de lésbicas Laurel e Rachel Bowman-Cryer em 2013, o que levou a uma denúncia contra os padeiros.

    Em julho de 2015 que os boleiros foram condenados a pagar danos no total de US$ 135.000, o que levou ao fechamento da loja de bolos do casal cristão.

    Kelly Shackelford, presidente e CEO do First Liberty Institute, disse na sequência  da decisão:

    “A liberdade de expressão para nós mesmos deve exigir liberdade de expressão para os outros. Hoje, o Tribunal de Apelações do Oregon decidiu que Aaron e Melissa Klein não têm direito às promessas da Constituição de liberdade religiosa e liberdade de expressão”.

    “Em uma sociedade diversa e pluralista, pessoas de boa vontade devem ser capazes de coexistir pacificamente com diferentes crenças. Estamos desapontados com a decisão do tribunal contra os Kleins”.

    O casal de lésbicas, entretanto, comemorou a decisão e disse que,  no Oregon, as empresas abertas ao público estão abertas a todos.

    “Com esta decisão, o Tribunal de Recurso confirmou a ideia de que a discriminação não tem lugar na América”, insistiu o casal.

    Os advogados do First Liberty Institute disseram que irão analisar a decisão e considerar se deseja recorrer ainda mais.

    Melissa Klein colocou no início deste ano que a padaria não discriminou o casal de lésbicas, que eles tinham servido antes do pedido de bolo de casamento, e só pede o direito de não poder participar de um casamento gay.

    “Eu não podia participar da cerimônia, vai contra o que eu acredito. Tenho uma fé forte em Deus, quem amo com todo o meu coração. Toda a minha vida é dedicada a viver por ele da melhor maneira que eu sei como”, disse Klein em março do ano passado.

    “A América é um lugar onde o governo não pode forçá-lo a violar suas crenças religiosas ou a dizer o que acreditar. Mas sentimos que é exatamente isso o que aconteceu conosco. Perdemos tudo o que amamos e trabalhamos tão difícil de construir”.

    Aaron Klein declarou que a “verdade honesta” é que ele e sua esposa “apenas buscam servir o Senhor”.

    “Queremos fazer o que é certo por Ele e no final do dia, eu só quero saber que eu honro a Deus … Para nós é sobre seguir a Deus, não importa os custos. Como a Bíblia diz, quanto a mim e minha casa, vamos servir o Senhor”, disse ele.

    (Fonte: The Christian Post)


    Fonte: FolhaGospel

    O conteúdo das notícias é de responsabilidade de seus respectivos autores e veículos de comunicação, não refletindo necessariamente a opinião da ICESO



    Data : 2018-01-04
    Autor:

    Não existem comentários nesta notícia, seja o primeiro.